Coletivos se mobilizam no exterior

Os articuladores dos coletivos internacionais que representam os grupos que formam a organização de brasileiros na diáspora, que lutam em defesa da democracia no Brasil em diferentes países, decidiram que a defesa de Lula está diretamente relacionada aos propósitos democráticos de todos os grupos.

Reconhecemos que é flagrante a tentativa da Operação Lava Jato de punir Lula sem crime e de toná-lo inelegível, pois, a despeito do massacre jurídico e midiático do qual é vítima, o ex-presidente de maior popularidade na história do país segue a liderar as pesquisas de opinião pública na corrida eleitoral para as presidenciais de 2018. Fato que reduz toda a falácia do “combate à corrupção” a uma insana perseguição política conta Lula.

Diante disso, todos os coletivos inserirão a defesa de Lula na pauta de ações que envolvem diálogo com autoridades de diferentes países, diálogo com a imprensa internacional, diálogo com partidos políticos, sindicatos e organizações que defendem os direitos humanos, protestos contra representantes do atual governo ilegítimo, etc.

E apoiamos a campanha “Um Brasil Justo, pra Todos e pra Lula”, convocando todos a contribuírem para o seu avanço e ampliação. (Para doar até o dia 24/12/16: catarse.me/justopratodos)

Nos dias 27 a 29 de janeiro de 2017 os representantes dos grupos (os articuladores) realizam o I Encontro Internacional Pela Democracia e Contra o Golpe, a ser realizado na capital da Holanda. Neste evento serão definidas as ações para 2017 em todo o mundo.

Wellington Calasans, Jornalista, de Estocolmo.
Por Os articuladores dos grupos.